Fala Maria, a mãe de Jesus - Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo - Parte II - Cap. XXXII

PDF por Nova Ordem de Jesus. 11/05/2016 - 19 min leitura
#jesus #vidadejesus #mensagens #novaordemdejesus

Fala Maria, a mãe de Jesus

A minha palavra não pode acrescentar a menor importância a esta obra, pois ninguém ignora que fui elemento completamente negativo para a missão de meu filho Jesus.

Cedo, entretanto, ao pedido do médium e direi o que possa ser de interesse com referência ao assunto.

Na realidade, era tão pobre a educação da mulher hebréia que dificilmente se teria podido encontrar alguma, capaz de avaliar o significado do que o pretenso profeta, como eu o chamava, manifestava com suas palavras, com sua ação e com seu exemplo. Entre os homens, tampouco havia-os verdadeiramente preparados para compreendê-lo. Eu pensava que meu filho estava louco e todos os da família acabaram por pensar do mesmo modo. Sobre isto, pois, mal posso dizer algo de útil e falarei de preferência do que mais tarde observei em torno da atuação de meu filho.

O martírio e a morte de Jesus, a fé ardente dos apóstolos e a influência de João, iluminaram meu espírito, convertendo-se na minha mente transformada, a vítima inocente em um Semi-Deus, e não coube já em meu espírito a menor dúvida a respeito de tão grandiosa manifestação do amor do Pai sobre seus filhos, os homens todos da criação; isto, porém, se bem significava grandes realidades para minha pobre alma tão cheia de escuridão mental, fora de mim mesma, não podia representar um grande progresso porque na Natureza não se dão saltos, senão que tudo se encadeia logicamente; a luz que se fez assim, então, na minha alma, brilhou no fundo de minha consciência, servindo-me de guia em todas as minhas idas terrestres. O grandioso mito que se fez de Maria entre os Cristãos mais tarde, nada, absolutamente nada tem de real.

Fui sempre mulher, menos em uma ocasião, que me ensaiei no sexo masculino; foi a vez que mais comodamente passei, porém que me resultou de pouco progresso para o meu desenvolvimento espiritual. Eu sentia-me sempre inclinada a ser mulher e distingui-me quase sempre por minhas inclinações religiosas, sendo que também fui monja, chegando a ocupar uma invejável posição nesse meio, havendo eu cultivado um pouco minha inteligência, o quanto então era possível a uma mulher religiosa.

Em verdade, recentemente, na minha última estada na Terra, na qual de muitos dos hebreus fui reconhecida, pois poucos anos faz que novamente regressei ao mundo dos espíritos, então adquiriu verdadeiro desenvolvimento a minha inteligência, completamente livre já de todos esses prejuízos causados pelo fanatismo religioso que constitui um obstáculo quase invencível para o progresso humano. Certamente que de amigos, recebi constantemente, dentro de uma boa direção, uma proteção invisível à qual correspondia até onde era possível, aos planos formados de antemão no espaço. Nunca cessou o labor cristão, sempre do alto, pelo próprio Mártir do Gólgota que aí selara com seu sangue os sublimes ensinamentos ensinados já por ele, com a palavra e o exemplo.

Sem dúvida, seguidos foram os obstáculos com que o magno labor tropeçou na Terra devido à falta de capacidade de seus enviados para a transcendental tarefa.

Muitos e repetidos foram os ensaios, constante o esforço e continuada a luta, porém faltou a unidade de ação, essa unidade que anteriormente fácil alcançar ao Mestre pela mediunidade de Paulo que, submetendo-se a Jesus no caminho de Damasco, nunca lhe faltou durante esses tempos, comunicando com bastante exatidão ao homem a sua palavra principalmente nas etapas subseqüentes, não que diminuísse a mediunidade do Apóstolo, mas sim que lhe foi adverso o ambiente e em nenhum caso o favoreceram as circunstâncias, o referente, ao menos, como que para dar lugar à clareza e segurança das manifestações a que agora alcançou, devido em grande parte às suas recordações retrospectivas que lhe servem de sólida base para não esmorecer em sua tarefa, apesar da incredulidade e oposição dos próprios cristãos que pensam que São Paulo havia de apresentar-se-lhe como um ser extraordinário, uma personalidade rodeada de portentos e milagres, não já um homem como os demais, muito mais desprendido, que a generalidade, o material e convencional, principalmente no cumprimento de sua missão, porém sem transparecer nada que possa fazer dele um ser superior.

A tradição cristã, muito exagerada quanto ao valor dos homens, converteu os apóstolos, que eram sumamente humildes de posição e compreensão, em personagens de grande valia, isto é e foi a causa de muitos erros. Estes homens eram unicamente extraordinários por sua fé, sinceridade e vontade ardente assim como por seu grande amor ao Mestre, porém se houvessem tido suficiente adiantamento que lhes permitisse recordar o passado, durante suas encarnações, não teria faltado ao Cristianismo a unidade no esforço e na direção única, que só de Jesus podia vir. Pelo contrário, nem bem retornados à vida humana, esqueciam todas as suas promessas e toda a noção sobre o verdadeiro propósito e fins precisos de sua missão, vendo-se geralmente, devido a isto, lutar em campos opostos, como sucedeu durante a reforma, em que ambos os campos conduziam-se mal, e muito antes também com as heresias e os trabalhos do livre pensamento.

Muito difícil é e somente por exceção, em muito reduzidos casos, pode ter lugar a recordação das vidas sucessivas devido a que a memória do homem reside essencialmente no cérebro, podendo recordar, por conseguinte, somente os acontecimentos que se tenham gravado nele durante cada vida. Por isso não se recordam os sonhos que eu diria verdadeiros, quero dizer, aqueles em que, encontrando-se o corpo completamente dormido, vive unicamente a vida vegetativa e não pode o espírito fazer uso de nenhum de seus órgãos por cuja razão se vê obrigado a agir sem o corpo; de maneira que, exteriorizadas todas as suas atividades, porque o espírito nunca pode ficar inativo, resulta viver longe do corpo por meio do corpo que lhe é próprio e dos fluidos que tira do corpo e que o mantêm unido a ele, assim como a esse meio especial resultante das atividades de todas as pessoas dormidas também exteriorizadas, que pensam e recordam sem os empecilhos do cérebro, porém, sem deixar, em compensação, neste as impressões que constituem a recordação para o homem; os médiuns e os “mãos Santas”, alcançam cousas imensamente mais portentosas que os profissionais do magnetismo, devido à sua maior fé e em geral mais elevados sentimentos. Mas, volvamos aos propósitos destas linhas.

Encontrando-me, como disse, ao corrente de todos os esforços de Jesus para restabelecer a verdade e pureza de suas doutrinas, chegando a ser, muito cedo, eu mesma uma de suas colaboradoras, tive constantemente o pesar de ver desbaratados seus planos pela razão cruel do completo esquecimento de todo o propósito tomado na vida espiritual, pelos que voltavam à Terra onde seguiam geralmente rotas opostas às que haviam escolhido. Contudo, o esforço que cada qual fazia para ser virtuoso, a oração e a fé em Deus, assim como a experiência paulatinamente acumulada, foram-lhes dando maior consciência de todas as cousas. Compreenderam que para dominar o ambiente fluídico, sem o qual nada se alcança, são necessárias também a saúde e as forças físicas, tendo se empenhado em seu desenvolvimento, principalmente Marcos, Mateus e Paulo; Pedro e João trabalharam mais no sentido extracorporal. Deveis saber que a saúde e a força física dependem em parte do desenvolvimento do corpo astral, e como nada se perde, tampouco perde-se o desenvolvimento que em cada vida alcança o homem para seu corpo, pois a envoltura do espírito ao separar-se do corpo material, leva consigo todo o melhoramento, toda a aptidão adquirida e até a tendência para adquirir ou vencer as enfermidades de que sofreu o corpo e pôde vencer. Deste modo, melhor preparados, os Apóstolos sempre sob a direção do Mestre lograram promover, no século XIX, um grande renascimento religioso, principalmente em Norte América, na esperança de poder derivar dele um progresso suficiente da religião para voltar à pureza do primitivo cristianismo. Muito depressa, porém, se aperceberam que as preocupações de raça e de seita dominante naquele ambiente não se prestavam para levar a cabo tal propósito. Dirigiram então suas vistas para a América do Sul.

Todos os apóstolos, menos Pedro e João, tinham voltado à Terra. Os apóstolos não se reconheceram entre si, menos Paulo, que bastante titubeou no princípio de sua missão, chegando até a ridicularizar a Jesus, apesar de ser de temperamento muito religioso, Paulo os foi reconhecendo a todos mais tarde, devido ao grande desenvolvimento que em sua atual vida alcançou pela mediunidade, da qual precisamente se serviu Jesus para ditar a presente obra e com a qual se restabelece a primitiva pureza Cristã, livre de toda a fraude. Esta mesma exposição que faço demonstra que o verdadeiro desenvolvimento do cristianismo é devido ao esforço dos apóstolos e seus discípulos sob a direção de Jesus sem nada de milagroso nem de sobrenatural; inculcando, isso sim, ainda que lentamente e de forma que cada qual vá compreendendo por si mesmo, que existem grandes potencialidades no espírito que ele deve desenvolver, principalmente pela virtude e os sacrifícios, potencialidades que chegarão a fazê-lo senhor da Natureza.

Para abreviar, direi: que Pedro e João, do espaço, conseguiram estabelecer em meados do século XIX, um núcleo importante em Buenos Aires. Esse importante núcleo foi quase constantemente presidido por Santo Estêvão, eleito para o lugar por sua fé, constância e laboriosidade inquebrantável, apoiado por uma moralidade sem jaça, secundando-o muito de perto José de Arimatéia, que também nesta ocasião ajudou a Jesus com sua posição social distinta e opulenta, pois que, como já vos disse, nada se alcança por milagre, sendo que entre os homens e para todo o labor humano, necessários são meios humanos e ainda quando feito foi pelos esforços do Messias a aproximação do Céu à Terra, sempre que a esta se deve chegar, por meios terrestres o temos de fazer.

Santo Estêvão também desfrutava de uma posição social distinta e pecuniariamente desafogada, assim como o evangelista São Mateus, porém, realmente opulento unicamente o era José de Arimatéia. São Mateus distinguiu-se principalmente por sua eloqüência, com a qual chegou em diversas ocasiões a comover os mais elevados da Sociedade de Buenos Aires. Barnabé desempenhava as funções de tesoureiro e ao mesmo tempo de vigilância da associação; direi seu nome, como o mais modesto e menos conhecido que os dos anteriores; vou dá-lo para que possa servir de base para o conhecimento a que alguém possa chegar, do fato que nos ocupa: chamava-se José Rodríguez e era espanhol.

Paulo, muito jovem ainda e conduzido inconscientemente do espaço por Pedro e João, apresentou-se à Associação que, se bem que fundada em sua origem somente por doze membros, muito numerosa havia chegado a ser naquela ocasião, porém, cousa curiosa, repetiu-se a desconfiança e o temor que houve antes quando os apóstolos não quiseram recebê-lo, renovando três vezes, inutilmente, seu intento até que Barnabé, o mesmo que antes, o apresentou pessoalmente. Paulo levou depois Marcos, não o apóstolo, mas sim o discípulo de Pedro, o mesmo que com Barnabé o acompanhara em sua viagem a Roma aonde ia evangelizar o Ocidente em nome do Senhor. Ambos foram muito queridos, como já o era Barnabé, por sua laboriosidade e constância apesar de, do mesmo modo que na época evangélica, Paulo ter atuado mais fora da associação que dentro dela.

O apóstolo Marcos permanecia então no espaço; digo espaço, porque se bem que tudo existe dentro do espaço, os homens formam parte da Terra e não se encontram diretamente no espaço; refiro-me pois, ao dos espíritos. A Paulo, por sua mediunidade, nunca lhe faltaram sinais e até conversações do mundo dos espíritos, mas temia por não ver nada perfeito nos demais homens, e por outra parte Pedro e João invisivelmente o velavam para evitar todas as comunicações até que seu tempo chegasse; porém, tão depressa conseguiram cercá-lo dos meios que dentro da associação lhe serviam como elementos da força para lutar contra os espíritos do mal que se empenhavam violentamente em destruir a sua obra, Paulo pôde ser desenvolvido por eles com segurança, dando-lhe paulatinamente a recordação do passado para que pudesse ter melhor consciência da obra que lhe estava encomendada, pois de outro modo, devido a seu espírito investigador e demasiado positivo, qualidades que já anteriormente haviam embaraçado suas intimidades para com os apóstolos, a sua obra não podia ser conduzida dentro de uma associação de um caráter um tanto místico e porque o regulamento proibia todo o trabalho medianímico, fora da sede da associação e qual não estivesse sob a imediata direção da Comissão espiritual que se havia constituído para dirigir do espaço os trabalhos de tal natureza, que tantos perigos entranham no homem. Paulo foi amplamente autorizado a trabalhar fora da sede da Associação, assegurando-se-lhe toda a proteção espiritual possível.

As lutas e dissabores que teve que sofrer Paulo por sua obra são pouco menos que indescritíveis, salvando-o seu poder excepcional, a ajuda e perícia de seus protetores invisíveis que o rodeavam de dia e de noite, com uma dedicação e denodo incomparáveis.

Grande parte de sua obra permanece desconhecida, porém seus efeitos propagam-se já por todas as partes e José, o que foi meu esposo, não permaneceu muito tempo no seio da tal agremiação, devido a seu caráter um tanto duro e orgulhoso, ainda não modificado suficientemente desde aqueles tempos. Era entretanto bastante laborioso e culto para poder prestar bons serviços à idéia e o fez, ainda que fora do núcleo.

Tadeu, que ainda está entre vós,1 no ano de 1905, recebeu da Itália, sua terra natal, a Vida de Jesus ditada por Ele mesmo, traduzida do francês para o seu idioma, e a “Sociedade Científica de Estudos Psíquicos”2 fê-la traduzir para o castelhano, encarregando-se deste trabalho o seu próprio Presidente, que conhecia bem esse idioma por haver feito os seus estudos na Itália.

O segundo tomo foi ditado depois ao médium X.X., instado para isso, por Jesus, em repetidas ocasiões. Depois de uma aparição de Jesus ao médium, além de diversas notáveis manifestações, foi que ele acedeu, plenamente convencido da intervenção direta do Mestre.

Recebeu-se então a comunicação, cercando-a de um controle muito grande e rigoroso, razão por que demorou tanto a completar-se a segunda parte, recentemente terminada, com a adição de dois novos capítulos, o XXV e o XXVI, e a presente comunicação.

Também as outras mulheres seguiram, como eu, prestando a sua cooperação à grande obra iniciada por Jesus há quase dois mil anos, encarnando elas também, de preferência, no sexo feminino. Salomé fez parte do núcleo durante a maior parte de sua vida, prestando importantíssimos serviços com sua mediunidade.

E seu filho Tiago ajudou Paulo com muito interesse e carinho, com outros dois apóstolos que não vou nomear. Marta evangeliza na cidade de Córdova, e Madalena trabalha também com afinco dentro e fora do núcleo, nesta capital. Eu também cooperei neste grande movimento, consagrando-lhe a maior parte de minha última existência e mantendo estreitas relações, desde Espanha, com o núcleo de Buenos Aires. E foi esta a época de maior luz para o Cristianismo definitivamente libertado de todo o dogmatismo que Jesus sempre combateu fora de toda a religião, porque o Cristianismo é a religião. Os discípulos dos discípulos do Senhor, espalhados por todo o mundo, levam a boa nova por todos os âmbitos do Globo, fazendo estremecer os templos idólatras, desde os seus alicerces, para que se compreenda a idéia de Jesus, que se reconheça o universo inteiro como o templo digno do Altíssimo.

Louvores a Jesus a quem tudo isto é devido! Jesus é um irmão nosso, é um dos nossos disposto sempre a aproximar-se de todo aquele que sinceramente o chame, mas por sua elevação e por sua alta missão, o chamamos: O Senhor, sem fanatismo, apenas como sinal de amor e gratidão pela obra de seu imenso amor.

Em seu nome despede-se de vós e vos abraça.

MARIA

Esta mensagem é parte do livro Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo, da Grande Cruzada do Esclarecimento. Conheça mais sobre o livro Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo. Agradecemos pela leitura e ficaremos muito felizes se o seu desejo for o de compartilhar a mensagem com seus amigos e familiares.

Seja um Apóstolo do Nosso Senhor Jesus e ajude divulgar as obras da Grande Cruzada de Esclarecimento.

Mais de Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo - Mensagens do Livro

Ocupa-se o Mestre de seu messianismo - Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo - Cap. V

Ocupa-se o Mestre de seu messianismo, que deu origem ao seu título de Filho de Deus, tomado resolutamente. Suas pregações deram lugar a uma séria...
Leia a Mensagem

Continuava Jesus com seus sermões - Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo - Cap. XIV

Continuava Jesus com seus sermões, alheios a toda a ortodoxia, aumentando o ódio e o desejo de o perder, por parte de seus inimigos. Ele desafiava-os afinal e denunciava-os perante o...
Leia a Mensagem

A desgraçada condição humana atrai a comiseração dos espíritos de luz - Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo - Parte II - Cap. XVIII

A desgraçada condição humana atrai a comiseração dos espíritos de luz. É necessária a desmaterialização do espírito...
Leia a Mensagem

Esta mensagem é parte do livro Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo, da Grande Cruzada do Esclarecimento. Conheça mais sobre o livro Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo.

Compre Impresso
Download PDF

Seja um Apóstolo do Nosso Senhor Jesus e ajude divulgar as obras da Grande Cruzada de Esclarecimento.

Nova Ordem de Jesus

(54) 3461-2412   darcidickel@novaordemdejesus.com.br
Rua Valter Jobim, 282. Bairro Planalto.
CEP 95185-000. Carlos Barbosa, RS. Brasil.

"A palavra que o Senhor Jesus está difundindo na Terra através destas mensagens, deve ser ouvida e meditada por quantos tiverem a ventura de conhecê-la em sua presente vida terrena." - Apóstolo Thomé