Algumas palavras do apóstolo Barnabé - Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo - Parte II - Cap. XXXI

PDF por Nova Ordem de Jesus. 11/05/2016 - 14 min leitura
#jesus #vidadejesus #mensagens #novaordemdejesus

Algumas palavras do apóstolo Barnabé.

Inútil é dizer que meu espírito acha-se inteiramente suspenso pelas elevadas idéias, palpitantes nas palavras de João. É ele certamente, com Pedro, o apóstolo verdadeiro de Jesus, e recebendo a palavra de Paulo, se bem que ausente agora deste lugar, tenho prazer em dizer a verdade livremente, para tributar a João e a Pedro o elogio de sua grande elevação.

No que diz respeito às cousas entre Barnabé e Paulo, convém sua consideração pelo proveito apostólico que delas se alcançou e não pelo que o bondoso João veio atribuir às minhas virtudes.

Era eu de alma sincera e homem de ação espiritual e grande era também minha profunda fé no Senhor.

Tornava-se então fácil o caminho para as boas inspirações do meu ser. Assim, pois, fácil acolhida teve primeiramente em mim a inspiração que me levou a colocar Paulo em condições favoráveis para o desempenho do apostolado a que já se havia consagrado. Mais tarde, conhecendo eu toda a razão que lhe assistia ao resistir à influência equivocada dos hebreus cristãos de Jerusalém, chamados ainda então nazarenos, os quais permaneciam ainda confundidos com uma seita judaica, fui buscá-lo em seu país natal onde a desilusão e a impotência a que o condenavam, sua natureza honrada e o firme propósito de não querer enfraquecer a autoridade dos apóstolos, mantinham-no retirado e ocioso.

Oportuno pareceu-me o usar do meu caráter de membro dos doze para dar-lhe uma satisfação pela indiferença e abandono em que tinha chegado a ficar pela oposição do espírito velho contra o pensamento mais liberal e progressista de Paulo.

Diz-se que eu conquistei Paulo e isto pode ser, mas antes Paulo a mim próprio tinha conquistado, pois que atração tinha sua pessoa pela virtude e por suas maneiras. Sua delicadeza e sinceridade, sua disposição sempre pronta ao perdão dos que mal lhe fizessem, sua resignação e paciência para suportar toda a dificuldade e dor pelo bem e pelos demais, sua disposição em dar sempre o direito aos outros, ainda quando adivinhando-se que ele percebia corresponder-lhe o direito, sua grande fé e firmeza de coração, não tinha visto eu tudo isto em ninguém de tal forma como em Paulo. Na solidão e no silêncio, certamente acontecia às vezes pôr-se sua fisionomia muito dura e em algumas poucas ocasiões de grande contrariedade, vi-lhe um semblante tão duro e ameaçador que fiquei inteiramente frio. Nada, entretanto, se ouvia dele nessas ocasiões, correspondentes a uma cara tão má. Ele, porém, confiou-me que na solidão perseguia-o um espírito tão perverso e de tanto poder  que o faria executar as cousas mais terríveis, se não o evitasse a constante proteção de Deus que jamais o abandonava. Seu caráter enérgico o era somente para o bem e o demonstrava sem cessar, sendo ele o primeiro a impor-se todas as privações e contrariedades próprias do apostolado cristão nesses tempos de grosseiros fanatismos, de geral atraso e maldade. Ele colocava-se assim, desde o primeiro momento, à frente dos demais, o que foi mal interpretado quando suposto foi incapaz de obediência e falta de humildade. Falou-se portanto de sua incapacidade para acatar a autoridade dos apóstolos ou má vontade em obedecer-lhes. Todos nós, porém, reconhecemos que do nosso lado, e não de Paulo, foi o primeiro erro. Quando Paulo voltou de Damasco, onde Jesus já tinha ensinado aos 29 anos, feito conversões e havendo evangelizado eficazmente nessa cidade e em outras povoações vizinhas, fê-lo com o propósito de seu reconhecimento pelos apóstolos e do acatamento por sua parte da autoridade dos mesmos. Os apóstolos, porém, o evitaram com mostras de desconfiança e de temor, se bem que manifestamente não houvesse já motivos para tal. Havia-os então eu bem inteirado já do trabalho de Paulo, resolvendo recebê-lo e ouvi-lo, e assim fui eu junto a ele e conduzi-o aos apóstolos, apresentando-o como bom irmão e muito capaz para o ministério da palavra; os apóstolos, porém, o acolheram friamente e somente Pedro e Tiago, o irmão do Senhor, dirigiram-lhe a palavra, Pedro humildemente, Tiago com autoridade. A frieza desapareceu depois um pouco e entre eles tiveram lugar repetidas conversações e todos juntos andamos nas cousas da comunidade e nos atos religiosos. Cerca de quinze dias passou assim Paulo com os apóstolos, os quais, porém, faziam-lhe ver sempre sua superioridade por seus títulos de apóstolos de Jesus e por haverem escutado sua palavra. Apesar de tudo, prontamente pôs-se em evidência a maior inteligência e instrução de Paulo que tinha estudado para Rabi e tinha também figura mais digna de respeito. Isto mesmo, portanto, e o espírito mais liberal do novo irmão tornou-o pouco agradável ao Conselho dos Doze. Tiago principalmente, que inimigo voluntário havia sido dos ensinamentos de Jesus antes de sua morte, inimigo involuntário se tornou dos mesmos depois de morto o Mestre, porquanto, desmentiu-os, substituindo-os pelas estreitezas do Judaísmo que era precisamente o que Jesus tinha vindo reformar. Foi então que Paulo falou de forma a dar-se a conhecer como capacitado, pela influência direta do Senhor, para a grande obra pelo Cristo Redentor trazida. Os apóstolos o respeitaram então e acreditaram na unção do seu espírito, mas nada lhe ensinaram e pareciam antes fugir das suas perguntas. Assim, pois, o novo adepto tomou dos apóstolos, por ver, as formas de suas práticas, como o sopro a distância sobre a fronte, as imposições, as aplicações, os exorcismos, o azeite e a água influenciados pela imposição e pelo sopro, para a cura de enfermos, etc.; mas os apóstolos não lhes ensinaram. Se, pois, devia haver mais humildade em Paulo, menos ciumentos se deviam ter mostrado os apóstolos, influenciados por Tiago, exceto Pedro e eu. Eis, portanto, o que ninguém sabe porque calou-o a virtude de Pedro, isto é, que foi Pedro quem teve a idéia, convindo-se logo entre os dois que fosse eu buscá-lo para conduzirmos em comum uma propaganda mais ampla que até então. Logo os Doze aproveitaram o projeto e Pedro deu-me por companheiro João Marcos, seu discípulo, a quem amava como filho.

Não deveis escandalizar-vos por estas pequenas dissensões apostólicas, acontecidas há quase dois mil anos. Deve antes maravilhar-vos que Jesus, do espaço, tenha feito o que conheceis com tão pobres e escassos elementos. Deve também maravilhar-vos que nesses tempos de tanta maldade e ignorância, doze apóstolos e Paulo encontrassem tanta convicção e valor em si e tanta fé no Messias, que se atreveram a empreender a conquista do mundo, conseguindo-a fundamentalmente. Judas Iscariotes reuniu-se também, em uma nova vida, aos trabalhos do Senhor. Não o julgueis, pois, por um só detalhe de uma única vida, quando sabeis que nada significam cem vidas para a eterna vida do espírito. Conheço homens perversos que são hoje o mesmo que foram há dois mil anos. Se tivessem olhado para Cristo, em vez de desprezá-lo, estariam agora tão alto como os apóstolos. Crede, portanto, que toda a luz no cristianismo se encontra, o cristianismo, porém, se engrandece e eleva com o engrandecimento e a elevação do homem. Aquele, portanto, que de obscuridade tacha hoje o cristianismo é que em sua alma a obscuridade tem. Jesus e os espíritos que o acompanham buscam o progresso no bem. Autorizado estou para dizer-vos que Jesus à frente se encontra do espiritismo, mas não encerra nele todo o progresso que infinito é como Deus mesmo.

Nem tudo me é permitido manifestar, mas posso dizer-vos que o intenso movimento espiritualista iniciado no século passado, principalmente sob a forma espiritista, foi provocado por Jesus, vindo ao mundo para isto a maior parte de seus apóstolos seguidos de muitos discípulos. João e Pedro, com Jesus ficaram, mas os conheceis por suas obras. Dos que estavam entre vós poucos vão ficando e à medida de seu desaparecimento vai enfraquecendo-se o espírito cristão do espiritismo, substituindo-se a razão do espírito pela razão dos sentidos.

A ciência é a verdade, mas a verdade não é dos homens, mas sim de Deus. Vós, em compensação, vos arrastais fitando a Terra para encontrar a verdade e juntando o que encontrais e ordenando-o, dizeis que tendes a ciência e para o alto não olhais porque a demasiada luz vos deslumbra e para vós o que não podeis ver, não existe; porém, certamente, o infinito por todas as partes vos rodeia com as infinitas leis divinas, sendo a Terra um ponto no meio da imensidade sem limites do TODO. Do espaço, pois, tudo vem, não da Terra para o espaço. Olhai, portanto, para cima sempre, quer dizer, para fora do vosso planeta, não vos arrasteis como a serpente pelo solo. Estudai, trabalhai, lutai, porque sem isto não há progresso, mas fazei-o sempre com sinceridade e humildade e recordai-vos também nas vossas tribulações, que Deus ouve sempre com benevolência as orações de seus filhos, mas, antes sede misericordiosos com os vossos semelhantes para que Deus possa sê-lo convosco. Não façais caso dos que vos falam contrariamente da oração, dizendo que ela é inútil porque não pode alterar as leis do Universo.

São papagaios faladores que não sabem que justamente do cumprimento de tais leis é que a oração forma o meio de relação mais simples e real entre a criatura e seu Criador. Não o sabem porque nada são capazes de perceber fora da matéria. Serve-lhes a razão como as andadeiras para a criança em seus primeiros passos, mas a criança deixa depois as andadeiras e eles incapazes são de deixar sua razão humana para elevarem-se a outra superior que nós já temos, a que pela experiência, pelo trabalho e pelo sofrimento, e mais ainda, pela fé e pelo amor, alcançamos. Bem haveis dito portanto: “Sem caridade não há salvação”. Os que desprezam a caridade são os mesmos que repelem a oração, porque não as compreendem, procurando seu significado entre as cousas de ordem material, por meio de palavras baseadas na razão dos sentidos. Somente o que sabe amar compreende a caridade que a síntese encerra do universo inteiro. É que o espírito adiantado, com corpo ou sem corpo de homem, percebe, sente, vê as cousas da alma que não têm, porém, tradução em vossas palavras; aqueles, portanto, que com as muletas da razão humana unicamente caminham, cegos são de alma, porque jovens são ainda como espíritos e é da caridade vossa, de vosso amor e da vossa fé que hão de aprender, não de vossos raciocínios. A razão leva para o fanatismo, a caridade somente ao bem conduz. A razão, a puramente humana, também precioso instrumento é do progresso, mas não deve ela encerrar-se no círculo fanático das observações materiais, sendo que abertas deve deixar suas portas superiores para poder-se elevar, por elas, pouco a pouco, até à razão superior do espírito.

Sede, pois, humildes e confiados e crede em Jesus, que o mais elevado espírito é, aquele que a Humanidade conduz.

Estas palavras são de Paulo, de quem eu muito aprendi.

Ele, porém, não pode escrever, porque diz que com seu cérebro de homem melhor escreve porque sua independência do corpo que anima, é antes um defeito que uma virtude de sua encarnação, e que se poucos fazem caso de suas palavras de homem assim trazidas, menos atenderiam às de sua comunicação deficiente. Paulo! Paulo! Tão grande sempre como simples. Cheia está minha alma de admiração e de gratidão para ti, que me mostraste o livre espírito da razão humana unida à razão superior do espírito, porque se nada vale o saber sem o amor, muito pouca cousa é o amor sem o saber; mas o amor ao saber nos impele. Não creias portanto que a algo bom chegareis com vossas lutas sociais se não vos fazeis melhores. Terminarei, pois, com estas proféticas palavras do Messias: “Só pelo amor será salvo o homem”.

Eu também, com todo o sentimento de que é capaz a minha alma, faço votos fervorosos pelo triunfo do bem entre os homens, mediante o advento da idéia de Jesus assim enunciada.

Esta mensagem é parte do livro Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo, da Grande Cruzada do Esclarecimento. Conheça mais sobre o livro Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo. Agradecemos pela leitura e ficaremos muito felizes se o seu desejo for o de compartilhar a mensagem com seus amigos e familiares.

Seja um Apóstolo do Nosso Senhor Jesus e ajude divulgar as obras da Grande Cruzada de Esclarecimento.

Mais de Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo - Mensagens do Livro

Causas da morte de Jesus - Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo - Cap. XII

Causas da morte de Jesus. Oposição de sua família e amigos a seu decidido propósito de pôr termo a seu messianismo com o martírio. Seus irmãos...
Leia a Mensagem

Fala João, o Batista - Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo - Cap. IV

Fala João, o Batista Venho a chamado de meu glorioso irmão. Com o corpo fatigado e a alma entristecida, Jesus precisava de descanso e consolo. Tinha ouvido falar da minha pessoa e...
Leia a Mensagem

Apostolado de Jesus em Damasco - Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo - Cap. III

Apostolado de Jesus em Damasco, onde foi respeitado e admirado como profeta. De Damasco passou a Tiro. Espalhou o bem nessas cidades e demais lugares por onde andou, com seus ensinamentos e com...
Leia a Mensagem

Esta mensagem é parte do livro Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo, da Grande Cruzada do Esclarecimento. Conheça mais sobre o livro Vida de Jesus Ditada por Ele Mesmo.

Compre Impresso
Download PDF

Seja um Apóstolo do Nosso Senhor Jesus e ajude divulgar as obras da Grande Cruzada de Esclarecimento.

Nova Ordem de Jesus

(54) 3461-2412   darcidickel@novaordemdejesus.com.br
Rua Valter Jobim, 282. Bairro Planalto.
CEP 95185-000. Carlos Barbosa, RS. Brasil.

"A palavra que o Senhor Jesus está difundindo na Terra através destas mensagens, deve ser ouvida e meditada por quantos tiverem a ventura de conhecê-la em sua presente vida terrena." - Apóstolo Thomé