OBSERVAÇÕES DO SENHOR EM MUITOS LUGARES PER­CORRIDOS - 94ª Mensagem de Ensinamentos Espirituais

PDF por Nova Ordem de Jesus. 04/05/2016 - 13 min leitura
#novaordemdejesus #livro #novaordem

Ditada pelo Apóstolo Thomé
Em 2-5-1971
Rio de Janeiro - Brasil

 

OBSERVAÇÕES DO SENHOR EM MUITOS LUGARES PER­CORRIDOS - FALTA DE RELIGIOSIDADE - NECESSIDADE DO PREPARO ESPIRITUAL - ENSINAMENTOS RELIGIO­SOS ENVELHECIDOS - A REENCARNAÇÃO TAXADA DE PURA IMAGINAÇÃO - SEM REENCARNAÇÃO NÃO HAVE­RIA PROGRESSO MORAL.

 

O SENHOR JESUS está percorrendo todas as regiões habitadas do planeta em companhia de Sua equipe de as­sessores espirituais, num trabalho de observação e levan­tamento da situação reinante em todos os lugares percor­ridos. Observando assim de perto a vivência das almas en­carnadas em toda a superfície terrena, está o Senhor Jesus habilitado a determinar as medidas necessárias ao atendi­mento das condições de melhoria de todas elas. Uma ob­servação recolhida pelo Senhor nessas visitas a muitos lu­gares da Terra é a falta de religiosidade dos seus habitan­tes, preocupados exclusivamente com as necessidades da vida material. Isto acontece não apenas nos lugares mais atrasados em matéria de civilização, mas igualmente em numerosas vilas e cidades possuidoras de seus templos re­ligiosos. Verifica então o Senhor Jesus certa displicência por parte dos religiosos  locais, por sua vez cheios de pro­blemas para resolver.

Chegaram, porém, os tempos de despertar as almas encarnadas para a vida espiritual, na qual estão reingressando todos os dias após o desligamento do corpo. A ausên­cia do preparo espiritual durante a existência terrena, importa em regressarem as almas ao seu plano de vida espi­ritual, não raro em situação moral bastante inferior àquela que possuíam ao descerem à Terra. Este fato tem sido ve­rificado por toda parte com grave prejuízo para as pró­prias almas, uma vez que, havendo descurado a sua evolu­ção enquanto  na Terra para cuidarem apenas dos interes­ses materiais, dificilmente conseguirão voltar ao meio terreno antes de decorridos de dois a três séculos. Uma grande responsabilidade tem de ser atribuída aos mentores religiosos de profissão, pelo fato acima apontado, uma vez que lhes incumbe empenharem-se no esclarecimento das suas ovelhas.

Há, porém, várias atenuantes a registrar para que tais fatos aconteçam, e uma delas diz respeito ao tipo de ensi­namentos religiosos ministrados em todos os lugares visi­tados pelo Senhor Jesus. Os ensinamentos, por exemplo, ministrados pela fé católica encontram-se assaz envelhe­cidos de dois mil anos e não conseguem despertar o in­teresse das almas. Os ensinamentos que conservam o in­ferno e o purgatório como estágios definidos das almas fal­tosas, já não conseguem ver-se acreditados pelos adep­tos, em face do adiantamento alcançado pelas almas em vá­rias encarnações, e se encontra presente em seu subcons­ciente. É mister reformar tais ensinamentos obsoletos, e substituí-los por outros capazes de despertar o interesse espiritual das almas encarnadas.  É necessário difundir por toda parte a existência da Reencarnação como uma das leis espirituais em virtude da qual as almas voltarão à Terra em novos corpos quantas vezes se tornarem  neces­sárias ao seu aprendizado nesta  escola terrena.Tem ob­servado o Senhor Jesus que tanto a religião Católica como a Evangélica se empenham na negativa da Lei da Reencarnação, taxando-a de pura imaginação dos espiritualistas estudiosos das obras de Kardec. O Senhor Jesus deseja es­clarecer a propósito, que Allan Kardec foi um dos  Seus emissários enviados a Terra no século XIX precisamente para coordenar o intercâmbio de almas encarnadas  com as  desencarnadas, e bem se  desempenhou dessa nobre missão. A Lei da Reencarnação sucessiva das almas durante milê­nios, até alcançarem o grau evolutivo peculiar a este pla­neta, funciona desde milênios apesar da negativa de muitos religiosos de hoje. Não fora a sua reencarnação sucessiva e nenhum desses mentores religiosos se encontraria na Terra a negar a lei que aqui os trouxe. Há, portanto, neces­sidade premente da reforma do ensino religioso difundido principalmente pelas igrejas do Ocidente, sob pena de se verem abandonadas pelos seus adeptos, desejosos de maio­res esclarecimentos da vida espiritual.

Três são os pontos fundamentais do ensino religioso a ser ministrado a partir deste fim de século: a transitoriedade da vida terrena, a prática do amor aos semelhantes, e a reencarnação sucessiva das almas em novos corpos. A transitoriedade da vida terrena explicada a todos os homens e mulheres dar-lhes-á a consciência de que terão de re­gressar algum dia ao seu lar espiritual, e daí a necessidade de se prepararem devidamente para esse regresso. Esta convicção terá ainda o mérito de evitar a prática de atos irrefletidos ou mal pensados, dos quais possa resultar  um demérito moral do qual virão a arrepender-se futuramente e sem remédio, quando se encontrarem novamente em seu plano de vida espiritual. A idéia da transitoriedade da vida terrena ainda influirá no comportamento dos seres humanos no intercâmbio com os seus semelhantes, evitando certo número de atritos desnecessários, mas que sucedem  fre­qüentemente entre as almas encarnadas. A recomendação do amor aos semelhantes como ensi­namento religioso, muito contribuirá para que as criatu­ras se olhem com maior simpatia no trato da vida material, levando-lhes a certeza de que seus contemporâneos são seus irmãos, porque filhos do mesmo Pai Celestial, e na Terra se encontram com o mesmo objetivo de progredir espiritu­almente. A recomendação do amor aos semelhantes como ensinamento religioso terá ainda o mérito de criar nas al­mas o desejo sincero de algo fazer em benefício das almas necessitadas, do que resultará uma compensação para aquelas que o fizerem. Essa compensação constará sempre de bênçãos e luzes para as almas que algo fizeram pelos semelhantes. Estará nessa prática a concretização da pro­messa do Pai Celestial quando assim se pronunciou: - Aju­da o teu irmão que o Céu te ajudará. O Céu figurado nesta frase representa evidentemente a Divindade, numa lingua­gem compreensível a todas as almas encarnadas, habituadas desde a infância à idéia do Céu como morada de Deus. Embora essa não seja bem a realidade, mal não há em que se conserve a idéia do Céu perante as almas encarnadas, a  qual traduz a maior elevação existente no mundo espi­ritual. Falemos agora da Reencarnação como um dos pontos fundamentais do ensino religioso a ser ministrado às almas que se encontram na Terra em busca de maior progresso espiritual. É este um ensinamento que muito interessará a todas as criaturas humanas, pela circunstância de lhes mi­nistrar a idéia de uma grande verdade. É necessário que todos os homens e mulheres saibam não ser a atual a pri­meira vez que se encontram na Terra, e também não será a última. Todos os seres humanos estiveram na Terra mi­lhares de vezes, vivendo em lugares diferentes do mundo terreno em busca de aprimoramento moral, e também de experiências que só se conseguem no meio terreno. Explicar-se-á às almas encarnadas, também como grande  ver­dade, que a vida e o comportamento de uma alma em cada uma das suas encarnações tem o mérito de preparar os planos de sua encarnação seguinte. O mundo espiritual re­gistra os passos e os atos de cada uma das almas encarna­das, para o fim de projetar seu futuro plano de vida no solo terreno. Sem pretender entrar em minúcias para não ma­goar ninguém, o Senhor Jesus explica que a existência na Terra de criaturas fisicamente defeituosas tem sua expli­cação em atos e fatos de sua vida anterior, tendo sido ne­cessário a essas almas encarnadas em veículos defeituosos, aceitarem tal situação em seu próprio beneficio. Não fora a lei da Reencarnação e não haveria um meio de determi­nadas almas faltosas se redimirem das faltas praticadas. Mas não é essa a única finalidade da lei da Reencarnação. Este é simplesmente um pequeno detalhe da lei. Sua prin­cipal finalidade, o grande bem resultante da lei da Reencar­nação, é trazer sucessivamente as almas a Terra em no­vos corpos para continuarem o seu aprimoramento moral e científico. Somente a vida terrena oferece às almas as condições necessárias ao seu aprimoramento moral e científico, pelas atividades e movimentação a que estão obriga­das para se manterem no corpo. Enquanto no mundo espiri­tual, as almas desencarnadas, embora disponham de meios e condições de desenvolvimento intelectual, falta-lhes o ele­mento principal de desenvolvimento que é o trabalho material tal como existe na Terra. É portanto em contato com o meio terreno, suas lutas e dificuldades, que as almas encarnadas conseguem realizar alguns dos planos elaborados no mun­do espiritual, como contribuição ao engrandecimento do planeta. Em face do que aí fica não se concebe que algumas religiões do Ocidente persistam em negar a existência da Reencarnação como uma das mais importantes leis espiri­tuais a regerem a vida terrena. É graças à lei da Reencar­nação que se encontram no mundo espiritual muitos milha­res de almas possuidoras de grande luminosidade adquiri­da em vidas sucessivas vividas em várias regiões do mun­do terreno, onde muito se empenharam em esclarecer e ajudar os seus contemporâneos. Não existisse essa lei mara­vilhosa em favor da evolução espiritual de todas as criatu­ras, e não haveria progresso moral nem científico uma vez que numa única passagem pela Terra possível não seria a  nenhuma criatura alcançar a luz espiritual de que tanto ca­rece. Eis aqui uma recomendação do Senhor Jesus a todos os religiosos do mundo: cancelem os argumentos contrários à Lei da Reencarnação e procurem beber nas obras espiritua­listas os fatos abundantes que nelas se encontram demons­trativos da excelência dessa lei.  Sem a reencarnação das almas de século em século em novos corpos e lugares dife­rentes, não haveria progresso nem elevação espiritual, por­quanto o período de uma encarnação é insuficiente para is­so. Devemos considerar que o período em que uma criatu­ra consegue assimilar  verdadeiramente as circunstâncias da  vida terrena é aquele que vai dos trinta aos sessenta anos. Ora, em apenas trinta anos de vida terrena nenhuma alma teria possibilidades de alcançar o desejado aprimoramento moral. Reencarnando, porém, de século em século, todas as almas dispõem dessas possibilidades, inclusive aquelas que se dedicam à  missão religiosa. Não  tivessem estas almas reencarnado vezes inúmeras, e não teriam condições para desempenhar sua missão.

 

Aos religiosos do mundo: “Cancelem os argumentos contrários à Lei da Reencarnação e recebam Luz das obras espiritualistas”.

Esta mensagem é parte do livro Nova Ordem de Jesus, da Grande Cruzada do Esclarecimento. Conheça mais sobre o livro Nova Ordem de Jesus. Agradecemos pela leitura e ficaremos muito felizes se o seu desejo for o de compartilhar a mensagem com seus amigos e familiares.

Seja um Apóstolo do Nosso Senhor Jesus e ajude divulgar as obras da Grande Cruzada de Esclarecimento.

Mais de Nova Ordem de Jesus - Mensagens do Livro

NECESSÁRIO VIVER ESPIRITUALMENTE - 2.ª Mensagem de Ensinamentos Espirituais - Nova Ordem de Jesus

Ditada pelo Apóstolo ThoméEm 14-6-1970Rio de Janeiro - Brasil NECESSÁRIO VIVER ESPIRITUALMENTE - ENTIDADES ALTAMENTE EVOLUÍDAS AJUDAM AS ALMAS ENCARNADAS -...
Leia a Mensagem

PRIMEIRA MODIFICAÇÃO SUBSTANCIAL DA ESTRUTURA TERRENA - 113ª Mensagem de Ensinamentos Espirituais

Ditada pelo Apóstolo ThoméEm 10-7-1971Rio de Janeiro - Brasil   PRIMEIRA MODIFICAÇÃO SUBSTANCIAL DA ESTRUTURA TERRENA - AS LEIS ESPIRITUAIS FUNCIONAM SOMENTE...
Leia a Mensagem

Esta mensagem é parte do livro Nova Ordem de Jesus, da Grande Cruzada do Esclarecimento. Conheça mais sobre o livro Nova Ordem de Jesus.

Compre Impresso
Download PDF

Seja um Apóstolo do Nosso Senhor Jesus e ajude divulgar as obras da Grande Cruzada de Esclarecimento.

Nova Ordem de Jesus

(54) 3461-2412   darcidickel@novaordemdejesus.com.br
Rua Valter Jobim, 282. Bairro Planalto.
CEP 95185-000. Carlos Barbosa, RS. Brasil.

"A palavra que o Senhor Jesus está difundindo na Terra através destas mensagens, deve ser ouvida e meditada por quantos tiverem a ventura de conhecê-la em sua presente vida terrena." - Apóstolo Thomé